Small Data x Big Data: entenda a diferença

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Small Data

Você já ouviu por aí conceitos como Big Data? E Small Data? Sabe o que eles significam?

O Big Data está se fortalecendo entre profissionais e empresas inseridas na cultura de dados. Mas além deste, outro conceito — o Small Data — se mostra como uma solução um pouco mais realista para as áreas de marketing, entregando bons resultados para as organizações.

O destaque do Small Data se dá, principalmente, por ele conseguir manifestar importantes percepções sobre as pessoas, sem necessitar de grandes sistemas para sua manipulação e compreensão.

Quando a empresa não dispõe de especialistas em dados (nem de tempo ou dinheiro), o Small Data pode funcionar com uma relevância parecida ao Big Data, em uma estratégia mais simples e menos robusta.

Quer saber mais sobre Small Data e como ele contribui para a integração de dados? Continue a leitura e entenda como esses conceitos funcionam. Boa leitura!

Big Data: o que é?

Para conseguirmos compreender o conceito de Small Data, vamos começar entendendo como o Big Data funciona.

Em qualquer acesso que fazemos on-line, estamos disponibilizando dados sobre nossos padrões de comportamento, certo? Esses dados podem ser muito valiosos para diversos segmentos de negócios, como saúde, indústria, tecnologia e advocacia (principalmente durante processos de pesquisas).

Como o próprio nome já diz, Big Data refere-se a um grande volume de dados que são gerados a cada segundo, podendo estar estruturados ou não. Quanto mais conectividade temos entre diferentes hardwares, mais dados geramos.

Se dá bem quem consegue transformar esses dados em informações úteis, gerando valor para os negócios.

Então, a estratégia ocorre com a coleta e análise de um grande volume de informações que permite tomar decisões direcionadas e seguras, aplicando as mudanças necessárias.

Situações em que altos investimentos são aplicados para que as estratégias de marketing funcionem podem restringir o uso do Big Data às grandes corporações.

Daí a importância de aplicar alternativas, como o Small Data, que contemplam empresas de todos os portes, para que atinjam os resultados esperados com as estratégias definidas.

Assista ao vídeo da palestra de Letícia Ange (Cientista de Dados da Cappra Data Science), ministrada durante o evento ID360, de 2016, e conheça as aplicabilidades do Big Data.

Tipos de dados que formam o conceito “Big Data”

Existem três tipos de dados que formam o Big Data: sociais, de empresas e pessoais. Com os dados sociais — mais conhecidos — gerados da internet e redes sociais é possível identificar perfis comportamentais.

Os dados de empresas (gerados pelo RH, financeiro, sistemas ERPs entre outros) quando bem analisados podem melhorar diferentes processos dentro da organização.

Já os dados pessoais são gerados por smartphones e outros dispositivos, em tempo real (apesar de isso ainda ser uma novidade). Quer um exemplo? Os relatórios do Google Maps sobre as condições de trânsito.

O que é Small Data?

Vamos voltar um pouco no tempo para entender este conceito.

Dados “pequenos” suficientes para orientar a compreensão humana. Apesar de ter menor evidência em relação ao big data, o Small Data pode ser essencial para se orientar por dados.

Ou seja, ele traz percepções relevantes e acessíveis para as pessoas, sem precisar do uso de sistemas tecnológicos utilizados para lidar com grande volume de dados, por exemplo.

O Small Data é uma das possibilidades do Big Data. Enquanto o Big Data explora os dados quantitativos, esses processamentos em menor escala têm viés também qualitativos.

Ele tem como referência as características específicas sobre um grupo, e os resultados são mais significativos se comparados às grandes quantidades de dados que o Big Data disponibiliza.

Como já dissemos, uma das vantagens do Small Data é que ele não precisa de grandes sistemas tecnológicos para lidar com dados. De forma mais simplificada, os profissionais do marketing conseguem obter informações precisas e respostas sobre o comportamento do consumidor, por meio de aplicativos e outras ferramentas.

Principais diferenças entre Small Data e Big Data

Apesar de ambos realizarem a mineração de dados, existem algumas diferenças básicas entre os conceitos de Small e Big Data.

No Small Data, os dados já estão estruturados e prontos para a análise, enquanto no Big Data é preciso realizar a interpretação das informações que podem estar estruturadas ou não.

O Big Data consegue localizar informações de diversas fontes, como banco de dados, nuvem, ferramentas de CRM e até mesmo da concorrência da empresa, resultando em um maior número de informações.

Por outro lado, o Small Data faz a busca em bancos de dados corporativos, revertendo em uma quantidade mais enxuta de dados que podem ser bem aproveitados por empresas menores.

A interpretação do Big Data requer equipes com maior conhecimento em mineração de dados. Para quem não tem essa estrutura, o Small Data pode ser suficiente, dependendo da necessidade da empresa.

A verdade é que a combinação desses dois conceitos pode trazer resultados incríveis para as organizações.

Small Data e Big Data: como funcionam na prática

Quer entender como funcionam essas estratégias?

O Big Data trata de correlações: quando algo ocorre, outra coisa depende ou tem uma correlação com aquele fato. O Small Data vem para explicar as causas e motivos desses acontecimentos.

Usando o Big Data, uma empresa, que visa ampliar seus negócios, pode coletar diferentes tipos de dados sobre o perfil e interesse dos consumidores, e tomar decisões de expansão mais assertivas.

Sendo mais fácil de decifrar, o Small Data pode ajudar a melhorar processos internos, como o desempenho e o aumento de ROI de uma empresa, por exemplo. Os grupos focais de pesquisas para entender as preferências dos consumidores são bons exemplos de Small Data.

Conclusão

Estamos presenciando importantes transformações das estratégias de marketing adotadas pelas empresas. O uso da tecnologia é uma realidade e, junto com ela, vem a necessidade de ampliar ações que deem às organizações dados de alta precisão em menor ou maior escala.

O Big Data e o Small Data tendem a acompanhar e influenciar positivamente essas mudanças e transformar o desempenho dos negócios no mercado.

Neste caminho sem volta, você precisa estar preparado para gerir e aplicar tanto um quanto outro conceito. Comece já.

Esperamos que tenha gostado deste conteúdo. Leia também: Big Data e Small Data: conheça essa nova tendência no varejo. E continue navegando aqui para saber mais sobre outros temas relacionados ao Marketing Digital e Marketing por Dados.

Até a próxima!

Sobre o autor