Conteúdo para as redes sociais: 3 dicas para melhorar seus resultados

Você sabia que dentre os países da América Latina o Brasil é o que possui mais usuários nas redes sociais? Segundo um estudo lançado pela eMarketer em 2016, já somos 93,2 milhões de brasileiros fazendo uso de alguma mídia social, um aumento de quase 8% em relação ao ano anterior. Esse dado é super relevante quando levamos em conta a quantidade de pessoas que podem se interessar pelo conteúdo da sua marca na internet.

Porém, entender os estímulos dos amantes de internet ao interagir com algum conteúdo é uma dificuldade para as empresas, inclusive para quem trabalha com isso há algum tempo. Quem nunca ficou horas navegando em busca de inspiração para criar conteúdos que gerassem mais engajamento?

Pensando nisso, no artigo de hoje vou compartilhar algumas dicas de como pensar em conteúdos que interessem o público e sejam, realmente, efetivos. Vamos lá?  

Redes sociais é um canal de comunicação

Já perdi as contas de quantas pessoas comentaram comigo: “Gustavo, você poderia criar uma página no Facebook para minha empresa, quero vender mais”. Não é bem assim! Em primeiro lugar, é importante destacar que as redes sociais devem ser utilizadas como parte um canal de comunicação.

As redes sociais de sua empresa não devem ter como objetivo de vender um serviço ou produto, não que isso não possa acontecer nelas, mas é que esse não é a intenção de um canal em que você conversa com amigos, né?

É indispensável que o primeiro objetivo de sua marca estar nas redes sociais seja o de criar um laço com o seu público. Dessa relação será possível identificar pontos importantes no consumo dos seus clientes e potenciais consumidores, ter feedback sobre diversos assuntos acerca do ramo de sua empresa e traçar estratégias para sanar as dores do seu público-alvo.

Não fale só sobre sua empresa

Há um princípio básico no universo de marketing de conteúdo: a regra dos 80/20. Funciona assim: você deve oferecer 80% dos conteúdos para agregar valor para seu público, enquanto os outros 20% deve abordar as soluções e demais ações de sua empresa. Isso acontece porque, irei frisar novamente, redes sociais são um canal de relacionamento.

Só para você se contextualizar e entender melhor: você já teve um amigo que a cada 10 assuntos de uma conversa, nove eram sobre ele? Parece que o mundo gira em torno dele, não é mesmo? Chega uma hora que ninguém aguenta ficar por perto, porque uma amizade desse jeito desgasta e você também precisa conversar sobre suas coisas. E é esse mesmo pensamento que deve ser considerado com uma marca nas redes sociais: não falar SÓ sobre as soluções que ela tem, mas abordar conteúdos que fazem a diferença para o seu público. Isso gera confiança, autoridade e é ótimo para o relacionamento!

Converse com o público

A maior diferença das redes sociais para os canais de comunicação de massa, como rádio ou a TV, é a interação. É uma via de mão dupla na qual empresas e pessoas podem interagir abertamente, diferente do rádio, por exemplo, a qual só é possível receber informações sem contestar.

Quando uma marca divide o know-how que possui com seu público-alvo, acontece um feedback de inúmeras maneiras:

* Quantidade de pessoas impactadas;

* Comentários positivos ou negativos;

* Compartilhamentos (como citamos ali em cima)

As respostas são imediatas e com retorno no mesmo instante. Se você quer estar presente, você precisa participar da conversa criando conteúdos atrativos, sendo dinâmico e acolhedor.

Fique atento à análise de resultados

As coisas mais comuns de se ouvir em reunião com cliente é “quero obter mais fãs e curtidas”, mas essas nem sempre são metas que ele realmente precisa atingir para conseguir mais resultados.

Um estudo lançado no ano passado pela SurveyMonkey  mostrou que as marcas estão começando a ficar mais atentas em objetivos que vão além de “curtir” e “seguir” nas redes sociais: os compartilhamentos. Seis em cada 10 respondentes afirmaram que compartilham diversos conteúdos de marca. O público desse perfil tem um nome muito comum no exterior: os heavy-users (super consumidores em tradução livre). Em um dia comum, esse público entra no Facebook (84%), quase metade acessa o YouTube (51%) e 40% são amantes do Twitter. Desse montante, 71% utilizam as redes sociais para falar da sua experiência com a marca.

Com esses dados e diversas redes sociais, deve ser claro que os objetivos, metas e KPIs devem se adequar para cada uma delas.

Gostou desse conteúdo? Então deixe aqui o seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *