Como adicionar o Código de Experimento (Teste A/B) do Analytics no Google Tag Manager

Nos últimos dias me deparei com uma situação desafiadora na minha rotina de trabalho: precisei criar um Teste A/B no Analytics e implementar o código no Google Tag Manager (GTM).

A princípio, parecia uma tarefa fácil, até chegar o momento da implementação. Diante do problema que surgiu, resolvi compartilhar com vocês como eu consegui solucionar o desafio de criar um teste A/B e implementar o código no Tag Manager de maneira correta.

O meu desafio começou na análise de SEO que estava realizando no site de um dos clientes. Descobri que havia um produto com duas versões distintas de layout, conteúdo e oferta. De certa forma, era um Teste A/B sendo realizado de maneira incorreta. Afinal, a forma como o usuário acessava uma versão ou outra dependia se ele havia clicado no produto na página inicial ou se ele clicou no produto dentro da sua categoria.

Sim, precisávamos consertar isso e criar um Teste A/B que fosse justo para analisarmos qual versão obtinha um desempenho de vendas melhor. E foi isso que fizemos.

Se você já tiver conhecimentos em Teste A/B pode pular para:

  • Como implementar o código do experimento do Analytics via Google Tag Manager.

Afinal de contas, o que é o Teste A/B?

O Teste A/B é um método utilizado para comparar duas versões de uma página ou e-mail, por exemplo. O objetivo de criar um experimento é analisar qual versão gera maior conversão. Nos Testes A/B é possível testar diversas variáveis em cada uma das páginas, como conteúdos, cor de um botão de CTA (call-to-action), imagens e ofertas diferentes.

teste ab

O principal benefício do Teste A/B é que ele permite que você tome decisões baseando-se em dados reais e que foram gerados por meio do seu público.

Existem hoje no mercado diversas ferramentas especializadas que realizam esse tipo de teste, como o Google Analytics (GA), Google Optimeze (ainda em versão beta), Optimizely e outras.

Iniciando o Teste A/B

Por ser uma ferramenta gratuita, optamos por criar o Teste A/B via Google Analytics.

Com o teste criado, chegou o momento de implementar o código do experimento no site. Porém, o cliente utilizava o GTM para o gerenciamento de tags, ou seja, precisaríamos implementar o código do Teste A/B no Google Tag Manager. E aí se instalou o problema.

No primeiro momento, instalamos o código no Analytics da forma que acreditávamos que era a correta:

1º – Crie 1 Tag HTML personalizada e adicione o código do experimento;

2º – Crie 1 acionador para página original e adicione o acionador dentro da Tag HTML Personalizada;

E pen!

via GIPHY

O GA não estava identificando o código do experimento. Depois de algumas pesquisas, descobrimos que o GTM estava implementado no site de maneira incorreta. Houve uma atualização na implementação do GTM e agora as tags devem ser implementadas na seguinte ordem: a primeira no início do header e s segunda no início do body.

Corrigimos a implementação das tags do GMT e acionamos o experimento. E mais uma vez, pen! O GA ainda não estava identificando o código do experimento e ainda não conseguia captar os dados da página original e variante.

Como implementar o código do Teste A/B do Analytics no Google Tag Manager

Depois de muito pesquisar, finalmente resolvemos o problema e descobrimos que o código do Teste A/B deve ser implementado da seguinte forma:  

1º – Verifique se as tags do GTM estão implementadas na ordem: a primeira no início do header e outro no início do body. Acesse o guia de implementação!

2º – Crie 1 Tag HTML personalizada e adicione o código do experimento;

implementando-teste-ab

3º – Crie 1 acionador para página original e adicione o acionador dentro da Tag HTML Personalizada;

4º – E por fim, ative o Suporte para document.write

implementacao-de-teste

No final das contas, o segredo era ativar o suporte para o document.write. O suporte ao document.write é importante, pois dessa forma os snippets do JavaScript vão ser capazes de atualizar o conteúdo diretamente no navegador, fazendo com que o código do experimento consiga redirecionar o usuário para a página original ou variante.

Ficou com alguma dúvida? Comente aqui que vamos te ajudar a solucionar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *